quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Agridoce Capítulo 9

- Devo ter saído de lá por volta das duas da manhã. Acredita que ainda tinha gente bebendo? Em plena quarta-feira?

Rimos juntas.

- Isso é muito comum, Patrícia. - ela dizia enquanto limpava os seus óculos, assim que terminou começou a me encarar - Mas e você? Como se sentiu?

- Eu evoluí, não é? Foi um grande passo eu estar ali - repetia a as palavras do cafajeste do Hugo, até então era a única opinião na qual concordávamos.

- Você acha que foi um grande passo?

- Claro! O meu único problema era o fato de não ter me entrosado com os meus colegas de trabalho. Agora estou no caminho.

- Qual caminho?

- Por que tantos questionamentos?! O caminho que vai alavancar a minha carreira.

- Você percebeu que não respondeu a minha pergunta?

- Qual delas? Você fez tantas.

- A primeira.

- Ah! Seu eu estou bem? - respirei fundo - Como eu te disse, minha mãe já tinha acabado com meu dia, então qualquer coisa que acontecesse após aquela cena horrível, me faria melhor.

- Entendi. Você imagina que poderia ter sido diferente a conversa que teve com sua mãe?

- Não sei. Talvez - eu sabia onde ela queria chegar. Queria me fazer sentir culpada e dar razão para minha mãe - Já aconteceu, já passou e eu não quero falar sobre isso.

- Tudo bem. Então, estar ali te fez se sentir melhor?

- Um pouco, não era o lugar que eu desejaria estar. Mas, pelo menos ali, todos os meus problemas sumiram por algumas horas.

Voltei a olhar para o teto.

- Patrícia, é importante que você esteja em lugares que te fazem bem de verdade. É natural termos que lidar com pessoas com as quais não nos identificamos, mas não se sinta obrigada a fazer isso sempre. Principalmente em seus momentos de lazer.

Suspirei.

- Acontece, que aquilo foi o mais próximo de lazer que eu tive depois de bastante tempo... - "sozinha" disse mentalmente, recordei a discussão com Letícia. Não que eu concordasse com aquela metida, mas de certa forma, senti medo daquela palavra.

- Bem, conte-me. Como foi o seu dia de trabalho, afinal é o motivo pelo o qual está tão tensa.



*****



- Bom dia - Letícia disse baixo assim que entrei no prédio, passei por ela. Ainda não entendia o seu fascínio em ficar circulando pela a entrada recebendo as pessoas como uma cerimonialista.

- Bom dia, tudo bem? - mais um passo, costumávamos a nos cumprimentar apenas com "Bom dia".

- Tirando a ressaca sim - ela estava arrumada, mas não tão bem quanto nos outros dias. Seu esforço para esconder as olheiras era bem perceptível.

- Eu sei como está se sentindo - dei sorriso bem discreto, afinal eu tinha bebido tanto quanto ela mas pude sentir um pouco de seus efeitos - Pelo menos nos divertimos.

- Ah e como! Principalmente você - ela falou e saiu andando para cumprimentar outros funcionários que chegavam. 

Ridícula! O que ela quis dizer com "Principalmente você"?

Chamei o elevador. Entrei com um grupo de pessoas, deveriam ser de outra revista. Basicamente cada andar pertencia a redação diferente, exceto a nossa que ocupava dois por ser a maior e a mais rentável da empresa.

Cheguei ao meu piso. Trocamos risos e segui em direção a minha sala.

Cumprimentei a todos que encontrava pelo caminho. Alguns me saudaram com "Grande noite", "Pronta pra outra?", "Como foi de ressaca?", "Bora marcar mais uma?". As respostas foram as mais mecânicas possíveis: "Ótima noite, precisamos repetir", "Claro, é só marcar", "Minha ressaca? Já tive piores" Basicamente o começo do meu dia foi assim.

Já em minha mesa, abri alguns emails e um deles me chamou a atenção. 

"Prepare-se para a nossa reunião de pauta, momento ideal para debater as suas idéias e seus conceitos..."
                
Parei de ler, mais uma ladainha. A verdade é que fazia um bom tempo que não mudávamos a estrutura gráfica de da revista, eu, pelo menos, não via motivos para fazer isso. Nossas fórmulas sempre deram certo.


Após o almoço iríamos nos reunir para discutir os temas do próximo mês.

Larissa entrou em minha sala, que estava com a porta aberta, saudou Ana e veio até minha mesa.

- Olá! Tudo bem? - falou sorrindo.

- Sim, estou bem. E me recuperei bem da festa sim, antes que me pergunte.

- Eu não ia perguntar isso, mas fico feliz por você.

Rimos juntas. Ana nos observava sem entender o que estava acontecendo.


- Então, vamos almoçar num self-service aqui perto, quer vir conosco?

Como assim? Estávamos virando amigas de uma hora para outra. Do nada ela me convidou para uma festinha em sua casa e depois queria que almoçássemos juntas. Isso estava muito esquisito. Mesmo assim decidi dar corda para até onde iria aquilo.

- Pode ser, só um minuto para eu pegar a minha bolsa. - aproximei dela e cochichei - Posso chamar a Ana?

- Não, nada de estagiários, só efetivos. - ela respondeu baixinho.

Bom, no primeiro de teste de boa samaritana ela falhou. No fundo senti um pouco de pena da minha assistente. Eu nunca fui a favor de nenhum tipo de discriminação e mesmo sendo burra, ela trabalhava como qualquer outro funcionário. Não era justo não participar de momentos mais descontraídos.

Pegamos o elevador. 

- Nós vamos no carro do Arnaldo. 

- Sério que ele vai? - disse animada, não sei porque mas gostava dele - Quem mais nos acompanhará.

- Só a Adriana.

- Ah sim.

Chegamos até o seu HB-20 já ligado.

- Olha a mulher-maravilha veio! - Naldo anunciou,

- Mulher maravilha? - Adriana franziu a testa, estava sentada ao seu lado no carona.

Larissa foi entrando e se acomodando enquanto eu contornava o carro para fazer o mesmo.

- Melhor que Miranda Priestly... - Larissa deu um tapa em sua cabeça, não deveria ter sido tão forte.

- Miranda Priestly? Do filme O Diabo Veste Prada?

Ninguém respondeu. Era claro que eu deveria ter um apelido e com certeza imaginava não ser muito agradável. No fundo, sempre quis saber do que eles me chamavam pelas as costas.

- Bom, foi um grande salto. Virei heroína - quebrei o gelo.

Na verdade, decidi dar corda a todos. Vai ser divertido descobrir o porque dessa aproximação tão repentina.


Primeiro Capítulo
Segundo Capítulo
Terceiro Capítulo
Quarto Capítulo
Quinto Capítulo
Sexto Capítulo
Sétimo Capítulo
Oitavo Capítulo

13 comentários:

  1. Aposto que o povo quer alguma coisa! haha Estou adorando sua história. Eu também quero saber por que de repente todo mundo se tornou amigo dela. Não sei se é porque ela se tornou mais receptiva, ou se querem algo...

    See you. XOXO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estranho isso né, logo logo você vai saber porquê disso tudo.

      See you my dear

      Excluir
  2. Bom, eu li o início e gostei. Não terminei porque quero começar do primeiro capítulo pra poder pegar a história completa. Eu também estou com uma história para escrever. Já está tudo na minha cabeça, falta agora começar a escrever rs.
    Abraços;

    http://rafaeljviana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comece sim Rafael, gosto muito de ler histórias diferentes. Quando estiver pronta me avise para eu poder acompanhar. Obrigado por comentar.

      Excluir
  3. Desconfio que ela esteja sendo cotada para uma grande promoção e o pessoal quer ficar amiguinho dela o mais depressa possível. E todo mundo já sabe, menos ela. Por quê? Porque o tal Hugo deve ter contado para alguém e a notícia se espalhou. Não confio nem um pouco nesse Hugo. Pobre Patrícia, está no meio de um ninho de cobras venenosas. Torço por ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, vou te deixar curiosa kkķ Mas não se esqueça que as aparências enganam. É clichê mas é verdade.

      Excluir
  4. Oi Beto,

    Não estive acompanhando os outros capitulos, mas este está excelente, estou gostando e irei acompanhar a partir de agora. Mas me conte, vai sair um livro daí né? Você tem talento moço!
    Eu escrevia histórias assim antes, porém parei, um dos meus romances se passava também no escritório onde eles trabalhavam, tipica história do casal preso no elevador, tá ligado?

    Bom, vou parar de falar, se não me emociono, rsrsrs

    Beijo
    http://www.portiprati.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai sim! Começou com um exercício de escrita que virou um conto enorme kkkkk Mas pretendo criar um livro derivado dela. Ah torço para que você volte a escrever a sua história, pois quero muito lê la.

      Excluir
  5. Não acompanhei a história do começo mas, pretendo ler o mais rápido possível.
    Dei uma passada rápida por ele e vi O Diabo Veste Prada. ADORO!
    Seguindo também :)
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Diabo veste Prada é muito bom. Leia assim que puder, quero muito saber a sua opinião.

      Excluir
  6. Olá!

    Acabei de chegar ao seu blog, e como adoro folhetins online, lerei assim que possível ;)
    Sucesso!

    Até mais.
    ser-escritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela a visita, espero que você goste desse folhetim :)

      Excluir
  7. Visite minha lojinha : http://coisasdemoca.iluria.com/

    Obrigada ❤❤

    ResponderExcluir